Inovação não é moda, e veio para ficar!

O CENÁRIO ATUAL

O cenário atual é complexo e desafiador, abrangendo elementos voláteis que norteiam a atuação empresarial e direcionam as atividades inovadoras. Os clientes, cada mais exigentes, querem algo novo todos os dias. A globalização eliminou muitas barreiras, gerando uma competição em nível mundial. A automatização dos processos modificou as formas de trabalho. A era da informação está estabelecida, e a ferramenta de acesso a ela está, literalmente, na palma da mão. Não há dúvidas de que o mundo mudou radicalmente nos últimos 20 anos e, certamente, continuará mudando, mas em uma velocidade cada vez mais acelerada. Não há bola de cristal que preveja o futuro, mas também não precisa ser um guru pra saber que o nível de incerteza em relação aos novos tempos aumenta a cada dia.

Continuar lendo Inovação não é moda, e veio para ficar!

Anúncios

Inovação é um movimento

lounge-empreendedor-tentativa-e-erro (3)

Geralmente atrelamos inovação ao desenvolvimento de novos produtos ou serviços ao consumidor, pois é a forma como visualizamos os resultados ou parte deles. Porém a inovação vai muito além dos produtos e serviços. A inovação é um movimento que deve envolver a organização como um todo, sendo gerido através do uso de ferramentas e processos adequados para que sejam gerados diferenciais competitivos e, consequentemente, melhores resultados.

Continuar lendo Inovação é um movimento

(R)evolução das caixas de sugestão

SuggestionBox

Muito comum entre os anos 80 e 90, em decorrência principalmente de um tema tão conhecido por nós, “Gestão da Qualidade”, as caixas de sugestão foram demasiadamente utilizadas pelas empresas como forma de oferecer aos seus funcionários uma oportunidade de propor ideias ou sugestões de melhorias. Esta é uma prática que continua sendo utilizada por empresas que buscam uma gestão mais participativa, que pode acarretar em um ambiente propício ao surgimento melhorias e, lógico, inovações. Proporcionar aos funcionários um canal para que eles possam dar ideias é algo maravilhoso, não é mesmo? Óbvio que sim!

Continuar lendo (R)evolução das caixas de sugestão

Ferramentas práticas para inovar

Essa semana estive com um amigo advogado que perguntou como ele podia inovar em seu escritório. Ele queria as respostas, os movimentos que deveria fazer para superar os momentos difíceis que a crise começa a impor ao negócio. Disse para ela que a inovação poderia se dar em diferentes dimensões da empresa, como os serviços, clientes atendidos, processos, canal e tantas outras.

Percebo que essa é uma situação bastante comum em empresas de diferentes tamanhos e setores. Buscar novas ideias que possam impactar positivamente os resultados. Minha experiência com o tema me leva a crer que uma abordagem estruturada para identificar as novas ideias pode ajudar e muito nesse processo.

Pensando nisso, destaco duas ferramentas que podem auxiliar nesse desafio inicial de identificar as oportunidades de inovações nos negócios.

INNOVATION STORMING
A base metodológica dessa ferramenta é o radar da inovação, uma ferramenta interessante que aponta 12 diferentes tipos de inovação que uma empresa pode utilizar. Esses diferentes tipos são: oferta (produto/serviço), plataforma, soluções, clientes, experiências do consumidor, captura de valor, processo, organização, cadeia de fornecimento, presença, relacionamento e marca.

A partir desses 12 tipos de inovação, o Innovation Storming traz 60 inspirações de movimentos inovadores que uma empresa pode fazer. Para cada inspiração há um caso de empresa de sucesso que utilizou dessa tática para se destacar.

 

SCAMPER
A técnica do Scamper é um acrônimo de 7 palavras: substituir, combinar, adaptar, modificar, pesquisar novos usos, eliminar e reorganizar. O objetivo é questionar os produtos, serviços e processos sob a ótica de cada uma das dimensões.

Para uma abordagem mais completa deve-se questionar os diferentes produtos/serviços e principais processos da empresa. Normalmente as ideias provenientes de uma dimensão requer repensar outras também, o que torna essa ferramenta ainda mais valiosa.

A partir das experiências de utilizar as duas ferramentas em projetos posso afirmar que elas funcionam e tornar o processo muito efetivo. Elas combinam método sem tirar espaço da criatividade.

Por Felipe Scherer

Post originalmente publicado no Blog Inovação na Prática da Revista EXAME

Como analisar seus concorrentes?

Desde “A arte da Guerra” passando pelos lutadores do UFC até os técnicos de futebol há
embutida a noção de que para vencer é preciso conhecer o seu oponente.
Da mesma forma, o ambiente empresarial desenvolveu, ao longo dos últimos anos, um
arsenal de ferramentas e técnicas de entendimento de seus concorrentes.
Na atividade de consultoria conhecemos executivos e empreendedores com ideias e
projetos que, numa avaliação inadequada nunca tem concorrentes até serem solapados
por aqueles que não consideravam. Outros acreditam que estão “anos a frente” até serem
rapidamente copiados.

Identificar quem e o que analisar, o que fazer com essa análise e alguns cuidados a tomar
pode facilitar o trabalho da sua empresa e auxiliar seus movimentos estratégicos.
Em termos de gestão e negócios, conhecer seus adversários permite que você possa
atuar sobre suas fraquezas, evitar suas forças e ter noção de sua possível retaliação.
Também pode prover insights sobre o que melhorar (benchmarking) e o que não fazer.
Essa lógica é aplicada para as empresas assim como serve para uma guerra ou para um
time de futebol. Os técnicos analisam detalhadamente seus adversários para escolher o
“esquema tático” a ser adotado. Se a zaga adversário é alta, o uso da bola aérea pode ser
menos eficaz, ao passo que aproveitar a velocidade e contra ataques pode ser mais
adequado.

Para facilitar sua análise consolidamos um conjunto de experiências positivas
importante:

Continuar lendo Como analisar seus concorrentes?